Futebol Nacional e Internacional – Notícias, Vida e Transferências

Mourinho aborda a vacinação obrigatória de jogadores: “Respeitamos a lei”

Mourinho aborda a vacinação obrigatória de jogadores: “Respeitamos a lei”

A saber, José Mourinho volta aos trabalhos nesta quinta-feira (06) em Milão para duelar contra o Milan, pela Série A TIM. Dessa forma, 12 anos depois, o português volta ao San Siro, local onde triunfou no comando da Internazionale. Por fim, Mourinho deixou de lado um pouco o duelo e comentou sobre a situação da sua equipa devido aos recentes casos de COVID-19.

JOSÉ MOURINHO FALOU SOBRE A VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19

Sendo assim, em entrevista coletiva, Mourinho deu sua opinião referente a vacinação dos atletas contra a COVID – 19. Com isso, o Special One usou a frase “regras são regras” para iniciar seu ponto de vista.

“Regras são regras, a lei é a lei. Se o governo tomar essa decisão, terá de ser respeitada. Se um jogador não tiver de ser vacinado, nós respeitamos, mas se assim for, queremos que os jogadores respeitem a lei, para poderem fazer o seu trabalho e jogar futebol. Não creio que venham a existir problemas”, concluiu Mourinho.

Além disso, Special One falou sobre o estado de saúde de alguns de seus jogadores. Com isso, o português destacou a forma de Rui Patrício, que mesmo não estando 100%, vai para o jogo em Milão.

“Se uma equipa fica sem três ou quatro jogadores, e isso pode acontecer, não interfere no resultado. Seria uma injustiça fazer uma equipa jogar sem guarda-redes, mas se tiverem o mínimo de jogadores, têm de jogar”, vincou o luso,

Por fim, o luso foi questionado sobre treinar um clube rival futuramente, mas de cara descartou a sugestão.

“Não é falta de respeito, mas, por exemplo, nunca poderei treinar a Lazio. É um clube da mesma cidade, com o qual tenho uma relação positiva e certamente pensam o mesmo de mim. Também nunca tive problemas com o Milan, mas existem clubes que nunca podes treinar”, frisou o português. “Depois de sair do Inter em 2010, o primeiro clube italiano que me contactou foi a Roma e eu podia aceitá-los, mas outros já não”, confessou.