Futebol Nacional e Internacional – Notícias, Vida e Transferências

Estátua de Ronaldo na Índia causa polêmica

Estátua de Ronaldo na Índia causa polêmica

A saber, uma homenagem a Cristiano Ronaldo vem causando muita polêmica nos últimos dias. Decerto, o jogador recebeu uma grande estátua na cidade de Goa, na Índia. O movimento, entretanto, não teve a boa aceitação do povo local.

Portanto, o local durante muito tempo, foi colônia de Portugal, com sua independência apenas em 1961. Decerto, um confronto armado foi o encontro final entre as nações. Por isso, a população local foi as ruas, em volta da escultura, para protestar contra as autoridades locais.

Outras estrelas do esporte da Índia não receberam nenhum tipo de homenagem e por isso, as reclamações foram ainda maiores. A falta de sensibilidade dos governantes foi bastante criticada em todo o território. A maior parte da Índia teve independência em 1947. Goa, entretanto, só teve reconhecimento como Estado oficial, em 1987.

Cristiano Ronaldo não esteve a declara nada sobre a homenagem e nem a polêmica.

Outras estátuas de Ronaldo pelo mundo

A saber, esta não é a primeira estátua de Ronaldo espalhada pelo mundo. Decerto, no aeroporto da Ilha de Madeira, sua cidade natal, há um busto do jogador. Em primeiro momento, a homenagem causou piadas, pois a escultura pouco se parecia com Ronaldo. Em 2018, porém, outro busto foi entregue para o local, agora com as feições do CR7.

Decerto, ainda há uma outra estátua na Ilha, com cerca de 2,40 metros de altura e 800 kg de bronze. Nesta ocasião, o próprio jogador esteve na inauguração e declarou suas emoções pela obra:

“É um orgulho estar de novo em Madeira, onde me criei e tenho minhas raízes e minha família. É algo que tem um significado muito especial para mim. Um privilégio imenso estar aqui com o povo madeirense”.

O jogador ainda tem algumas peças de cera, espalhadas por museus pelo mundo. A adoração ao craque é imensa e em Portugal, sua idolatria é de longe, a maior que existe no país.

Foto destaque: Reprodução/AFP