Futebol Nacional e Internacional – Notícias, Vida e Transferências

E se o FC Porto não vendesse os craques da formação?

E se o FC Porto não vendesse os craques da formação?

O FC Porto tem começado a fazer uma aposta mais significativa na formação nos últimos anos, fruto desse trabalho começaram a aparecer mais jovens de qualidade como André Silva ou Rúben Neves. Pinto da Costa, presidente dos dragões, já garantiu que esse será o “caminho a seguir” para o futuro. Nesse sentido, decidimos avaliar como seria um onze dos azuis e brancos apenas com jogadores da formação.

Baliza: Ventura – O guarda-redes português, bicampeão no FC Porto, conta com uma vasta experiência na liga portuguesa, contando já com 114 jogos. Também já representou o Sporting, por empréstimo dos dragões.

Lateral direito: Vieirinha – Revelado como um extremo com excelente capacidade de drible e imprevisibilidade, acabou por sair do FC Porto devido a forte concorrência de Hulk e Cristian Rodríguez. Rumou ao futebol grego, onde conseguiu encantar e convencer o Wolfsburgo a pagar quatro milhões de euros. Mais tarde foi adaptado a posição de lateral direito, na qual conseguiu cumprir muito bem e até ser convocado para o Euro-2016 com Portugal.

Central: André Pinto – Internacional português e reforço do Sporting para a próxima temporada, André Pinto é um central formado no FC Porto de qualidade e ao longo dos últimos anos foi uma referência para o SC Braga. No entanto, esta temporada problemas internos acabaram por ditar a sua ida para a equipa B.

Central: Bruno Alves – Completou 3 anos da sua formação no FC Porto, depois foi emprestado a diversos clubes mantendo sempre a ligação contratual aos dragões. Começou a ser aposta com Jesualdo Ferreira e demonstrou ser um central de enorme qualidade. Acabou depois por ser vendido ao Zenit por 22 milhões de euros.

Lateral Esquerdo: Rafa Soares – Emprestado ao Rio Ave, Rafa Soares tem revelado bastante competência na posição. Esta temporada já leva dois golos e duas assistências pelos vilacondenses.

Médio Defensivo: Rúben Neves – Chegou à equipa principal pelo mão de Lopetegui e mostrou uma anormal maturidade para a sua tenra idade. Com apenas 17 anos, já imponha o seu jogo no meio-campo dos dragões, inclusive na Champions. É uma das maiores esperanças de sempre da formação portista.

Médio Centro: André André – Filho de André, fez a formação no FC Porto, mas a falta de oportunidades acabou por fazer com que rumasse ao Varzim. Curiosamente, outro clube que o seu pai também jogou. As suas qualidades não passaram despercebidas a Rui Vitória. Na altura técnico do Vitória Sport Clube, deu-lhe a confiança necessária para crescer bastante como jogador e conseguir regressar ao clube do seu coração.

Médio Centro: Sérgio Oliveira – Mais um dos vários jovens de qualidade que não conseguiram ter oportunidades no FC Porto após completarem a formação, acabou por fazer o seu caminho e foi no Paços de Ferreira onde se conseguiu notabilizar. Os dragões ficaram encantados com a sua evolução e garantiram o seu regresso ao clube. No entanto, ainda não teve as oportunidades que certamente desejaria e encontra-se emprestado ao Nantes.

Extremo Direito: Bruno Gama – Habitual titular no Deportivo da Corunha, o extremo português tem conseguido protagonizar uma carreira interessante fora de Portugal. Prova disso, são os bons números que conseguiu no Dnipro, onde ajudou o clube a chegar à sua primeira final europeia, e também no clube galego, tendo sido fundamental para promoção na última temporada.

Extremo Esquerdo: Hélder Barbosa – Uma história semelhante a muito dos jogadores presentes aqui neste onze. Foi formado nos dragões, não teve oportunidades devido a forte concorrência e acabou por rumar ao SC Braga. No Minho, teve os melhores anos da sua carreira e, fruto desse bom período, até foi chamado à seleção principal por Paulo Bento.

Ponta de Lança: André Silva – Já é um dos grandes valores do futebol português. Chegou à equipa principal pela mão de Lopetegui e depois algumas oportunidades com José Peseiro, nomeadamente na final da Taça de Portugal. No entanto, foi com Nuno Espírito Santo que conseguiu explodir e ser hoje o segundo melhor marcador da liga portuguesa.