Futebol National e Internacional – Notícias, Vida e Traferências

“FC Porto comprou árbitros…”

“FC Porto comprou árbitros…”

Foram mais de duas horas de Manuel Vilarinho a falar com os adeptos. O antigo presidente do Benfica (2000-2003) contou histórias da presidência, da campanha contra Vale e Azevedo, e até dos tempos de adepto. O antigo dirigente dos encarnados elogiou o momento atual ao clube, em contraste com períodos anteriores, com o FC Porto a ser superior.

«O FC Porto não era igual ao Benfica. Eram melhores. Comprou árbitros? Ganhavam sempre porque eram melhores. Ouvimos as gravações do Apito Dourado. Convém ter a arbitragem na mão para quando a coisa não corre bem. Eles eram melhores. Custa muito dizer isto? Vamos tentar ser melhores do que eles. Foi assim que os passámos, não foi a comprar árbitros, foi a trabalhar. Nos últimos campeonatos, ganhámos cinco e eles um», afirmou Manuel Vilarinho no último Benfica de Quarentena, programa do canal Benfica Independente.

Vilarinho contou que tentou o regresso de José Mourinho em 2002, depois da saída de Toni, mas este já estava acordado com o FC Porto.

«Tive uma conversa com ele, engoli o sapo. Mas ele já tinha tudo feito do UD Leiria para o FC Porto. Para ele foi melhor, no Benfica não teria o escadote que teve no FC Porto para outras conquistas», continuou o empresário.

Manuel Vilarinho recordou os tempos da presidência, a começar com a saída de Mourinho em 2000.

«O treinador do Benfica era o Heynckes, o Mourinho aparece na campanha das eleições. Disse-me que só dava o treino se lhe renovasse o contrato por mais um ano. Disse-lhe que o treino não ia dar. Foi passar o cheque e acabou-se. Não sabiam a raça do bicho. Melhor treinador do Mundo? ‘Amanhã já não dou o treino’?», questionou o antigo presidente.

Manuel Vilarinho lembrou a campanha presidencial, o debate com Vale e Azevedo, e a contratação de Jardel, que não aconteceu devido à mulher: «Depois foi lá o Sporting e beneficiou daquilo.»

O empresário lembrou os primeiros tempos de Benfica e as dívidas herdadas.

«Sabia que o problema era grave, mas gravíssimo, era de falência. Se fosse na Alemanha, mesmo que fossemos o Bayern, íamos para a falência. Os culpados foram os sócios. Votaram num gajo bem-falante [Vale e Azevedo] para ganhar campeonatos», referiu Vilarinho.

No campo, as coisas não eram melhores, até o Benfica voltar a ter crédito na banca, investir em jogadores melhores e voltar a ganhar títulos, em 2004: «Os jogos eram uma tristeza. Alguém ficava contente? Vi apenas um treino, o Jesualdo pediu-me. E um jogador deu um pontapé ao Mantorras à frente do presidente. Não havia respeito por ninguém.»

O antigo presidente recordou os tempos de adepto, com 13 anos a ver o Benfica campeão europeu.

«Foi natural. Se fosse hoje, era milagre. Hoje somos campeões de uma coisa, não há falta de dinheiro», atirou o empresário. Os entrevistadores quiseram saber. Como era Eusébio? «Se existisse hoje, e se se portasse um pouco melhor na vida privada, era o melhor do mundo. Mas gostava de beber umas pingarolas. Não tem a vida do Cristiano Ronaldo.»