Futebol Nacional e Internacional – Notícias, Vida e Transferências

Jorge Simão chega a 250 jogos como comandante

Jorge Simão chega a 250 jogos como comandante

Um sabre, Jorge Simão chegará, diante o Benfica , na Luz, no dia 19, aos 250 jogos como treinador. Decerto, foi jogador e adjunto, e por influência de José Mourinho , virou o principal na beira de campo. Feliz com suas escolhas, Jorge ainda sonha em coisas maiores, mas lembra com sorrisos de sua primeira partida:

“Não. Nesse dia (22/02/2014), concretamente, não, mas foi dois meses antes do meu filho nascer. Daí que seja fácil para mim estabelecer uma relação com o início da minha carreira de treinador principal. Curiosamente, o que me ficou mais na cabeça foi a uma conferência de imprensa no final. Não sei como, mas encontrei-a no Youtube. Ainda a vou revendo: acabo a sorrir… “

Portanto, Simão esteve a comentar sobre sua passagem de jogador para adjunto e depois, para comandante principal:

“Quando deixei de jogar já estava muito claro aquilo que queria fazer. Dei passos no sentido de me preparar para, no momento certo, avançar sem hesitações ou arrependimentos. Estive 10 anos como adjunto, trabalhei com vários treinadores e todos foram importantes. Mais do que o meu posicionamento em campo – era médio -, tem muito a ver com traços da personalidade. E, depois, qualquer coisa cá dentro que arde, a motivação pelo jogo. Há, também, um marco transversal a todos os treinadores da minha idade : o fenómeno do aparecimento do José Mourinho, influenciou-me muito. E isto não é só vontade, tem mesmo de ser paixão… e, por vezes, até loucura “.

Jorge Simão chega agora aos 250 jogos

Decerto, diante o Benfica , está a alcançar os 250 jogos na carreira. São números grandes que Jorge Simão comparou com um casamento:

“É um número bastante significativo. Perguntava-me às vezes por que se festejam 25 anos de casamento. É o equivalente a 250 jogos como treinador! [Risos] Celebram-se porque é um sinal de consistência que ainda nos dá motivação para continuar. Na antevisão do jogo com o Sporting elogiei o trabalho do Rúben Amorim e ele referiu-se a mim como um treinador experiente. Não tenho 60 ou 65 anos: tenho 45 anos, ainda sou novo! [Risos] Estar aqui, poder desfrutar do jogo e seguir apaixonado por esta profissão é motivo de celebração “.

Foto destaque: Reprodução / FC Paços