Futebol Nacional e Internacional – Notícias, Vida e Transferências

Peñarol admite existir problemas com o negócio de Jonathan Rodríguez

Desde sábado que Jonathan Rodríguez se encontra em Portugal, mas ainda não foi oficializado o contrato do jogador com o Benfica. Um dirigente do Peñarol, que acompanhou o avançado, diz que houve alguns contratempos no processo, que estão relacionadas com declarações vindas do Uruguai.

«Chegámos no sábado no meio de grande pressão da imprensa a falar de declarações no Uruguai que não foram felizes», explica Ricardo Rachetti à rádio Sport 890, referindo-se às afirmações de um jornalista, Jorge da Silveira, que acusou Jonathan de beber demasiado e faltar a treinos, numa entrevista ao «El Observador».

«Saiu do avião direto ao hotel para fazer os exames médicos. Depois foram ao Centro de Alto Rendimento. Fizeram testes físicos. Aí começou a surgir a questão das declarações que chegaram a Portugal», descreve Rachetti: «Eles quiseram verificar a veracidade. Por sorte hoje recebi a notícia da retificação pública de quem as fez. Veremos se facilita o caminho. A transferência complicou-se, mas estou otimista que se faça. As condições económicas estão acertadas. A chave é que o presidente do Benfica e o clube se convençam do grande jogador que estão a levar.»

Jorge da Silveira recuou nas declarações, numa carta que enviou ao presidente do Peñarol. Resumindo essa carta, diz ter falado com dirigentes, treinadores e representantes do Sindicato dos jogadores e concluído que «o senhor Jonathan Rodríguez mudou drasticamente as atitudes que, fora do relvado, lhe reprovava».

A Federação do Uruguai já tomou uma posição sobre este assunto, numa carta ao clube em que elogia o a boa prestação do jogador ao serviço da seleção. «O vosso jogador, que hoje é uma das grandes promessas do futebol uruguaio e está destinado aos maiores feitos neste desporto, foi integrado nas seleções na nossa Federação e apresentou-se não apenas em grande forma dentro do relvado, mas também com correção e profissionalismo fora do mesmo», diz a carta.