Jogadores PT

50M€ em Abril já foram no Benfica

Reembolso de empréstimo obrigacionista e primeira prestação da transferência de Pedrinho custam meio João Félix.

Não é um Euromilhões encaixado, mas um que provoca um rombo na tesouraria da SAD do Benfica até final do mês. Em causa está a saída das contas de cerca de 60 milhões de euros, metade da verba encaixada com a transferência de João Félix para o Atlético de Madrid e que tem mantido as contas encarnadas num verde vivo que contrasta com as dificuldades provocadas pela pandemia que congelou o mundo do futebol.

No imediato, o Benfica tem de efetuar o primeiro pagamento da transferência de Pedrinho, orçada em 20 milhões de euros. O contrato aponta para que o mesmo seja feito na altura da efetivação da transferência, mas Luís Filipe Vieira terá sido sensibilizado pelo líder do Corinthians, Andrés Sanchez, a antecipar o envio da verba, que deveria ser de quatro milhões de euros, mas que terá aumentado para fazer face às sérias dificuldades do Timão para pagar salários.

Matias Ávila, diretor financeiro do Corinthians, confirmou a O JOGO que “o Benfica nunca manifestou qualquer intenção de adiar o pagamento”. Pelo contrário. “Estava previsto que sucedesse até à última sexta-feira, mas não tenho ainda a confirmação. De qualquer forma, se não foi pago deveu-se meramente a questões burocráticas. O Benfica é um clube muito sério”, elogiou.

Além do pagamento de salários a jogadores, treinadores e toda a estrutura do futebol, a SAD tem ainda de reembolsar o empréstimo obrigacionista 2017-20, de 60 milhões de euros. O valor encolhe cerca de 11 milhões porque vários subscritores trocaram, no último ano, os seus títulos pelos do empréstimo 2019-22. Porém, somados os juros, à taxa anual bruta de 4%, o bolo sobe até aos 50 milhões de euros, sendo certo que, segundo O JOGO apurou, o pagamento será efetuado na data acordada, dia 24, não tendo sido equacionado o adiamento.